ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

terça-feira, 29 de junho de 2010

BILA

Bila era o nome da minha "amiguinha."
Ela viveu em minha casa por treze anos, foi um tempo de muitas alegrias.
No dia primeiro de julho, vai completar três anos que ela morreu.
Sabem de uma coisa, nunca mais na minha vida eu quero ter outro bichinho de estimação.
Bila ficou marcada para sempre na minha vida, senti muito quando ela morreu.
Os bichos são companheiros maravilhosos, por isso, criamos laços afetivos com eles.


lita duarte

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O TIO EURÍPEDES

Meu tio Eurípedes era uma pessoa sensacional, pena que morreu muito cedo, apenas quarenta anos de idade ele tinha quando partiu dessa para melhor.
Ele era daquele tipo de pessoa com muito gás, muita garra e uma vida muito intensa.
Não tinha tempo para pensar nele, pensava demais nos outros, relaxou com a saúde e por isso mesmo foi embora tão cedo.

Lembro-me dele com muito carinho, embora o nosso tempo de convívio tenha sido tão curto.
Quando eu tinha cinco anos de idade, o tio ficou lá em casa. E ele já estava muito doente, quase no fim de sua jornada aqui na terra. Esse tempo pra mim, é inesquecível. Lembro-me que ele ficava deitado em uma cama, e eu e minha irmã Luzia, ficávamos sentadas no chão ouvindo as estórias que ele nos contava.

Um dia, o tio foi internado numa cidade bem longe, passaram-se três meses. Lá longe ele acabou morrendo e sendo enterrado.
O tempo foi passando e eu sentia muitas saudades dele, então minha mãe me dizia que ele tinha ido morar no céu. Só que pra mim, era difícil compreender o que significava ir morar no céu, porque ele simplesmente foi embora e eu nunca mais o vi, eu não presenciei o seu sepultamento.

Um dia, aconteceu o seguinte: Eu morava em uma casa que tinha um corredor bem grande, eu estava em um cômodo fora da casa, mas, que dava para ver todo o corredor, lembro que eu estava lavando os meus pés em uma banheira, a porta estava aberta, quando virei e olhei para fora, nesse momento eu vi o tio em pé no corredor olhando para mim. Ah, eu fiquei feliz e sai correndo e fui avisar minha mãe que o tio estava ali. Então ela me disse que era impossível aquilo ter acontecido, porque o tio havia morrido. Então ela me explicou o que é morrer. Eu compreendi e nunca mais eu vi o tio por aqui.

lita duarte